A literatura na cidade do Rio de Janeiro

No dia em que o Rio de Janeiro festeja seus 447 anos, nada mais justo que falarmos sobre alguns livros ambientados nessa cidade maravilhosa. Autores consagrados e também jovens autores utilizaram cada parte da cidade para contar suas histórias.

Machado de Assis, melhor do que ninguém, ambientou suas marcantes histórias nessa cidade, e mais do que isso: retratou a cidade e seus costumes. Em Dom Casmurro, o autor retratou muito bem a Zona Norte, o bairro de Engenho Novo, bairro onde se encontrava a casa em que Bentinho foi criado “na antiga Rua de Matacavalos” (hoje Riachuelo) e outros bairros cariocas; Já em Memórias Póstumas de Brás Cubas, retratou os costumes de diversos bairros cariocas, como o bairro da Gamboa e diversos outros do antigo Centro do Rio.

José de Alencar foi outro escritor que utilizou o cenário do Rio de Janeiro como pano de fundo para suas histórias. Em Cinco Minutos, Alencar utilizou o bairro da Glória como cenário da casa de uma importante mulher citada na carta que conduz o enredo. Já em Senhora, o autor também ambientou o drama de Aurélia e Fernando na cidade do Rio de Janeiro. Os costumes da cidade carioca são retratados na trama, sobretudo o casamento burguês.

O seminaristaOutro que utiliza muito a cidade maravilhosa como cenário de suas histórias é Rubem Fonseca. São inúmeros os seus livros que descrevem bem o submundo (luxúria e violência urbana) dessa bela cidade. Um dos livros mais recentes de Rubem, O seminarista, retrata o dia a dia de um ex-seminarista (que virou matador) na cidade do Rio de Janeiro.

Essas são algumas citações de grandes autores que utilizaram a cidade maravilhosa até mesmo como personagens de suas tramas, ultrapassando o limite de simples espaço, nada mais justo para uma cidade com tantas particularidades e beleza como o Rio de Janeiro.

Você se lembra de outros livros que utilizam tão bem o Rio de Janeiro em seu enredo? Comente este post e compartilhe com os leitores que também morrem de amores por essa cidade.

Comentários
  1. mauro rosso
  2. Eduardo Castor

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*