Cobertura Flip 2012 – O mundo de Shakespeare – mesa 6

A mesa 6 da Flip 2012 foi uma incursão no mundo de William Shakespeare em meio às homenagens a Drummond. Discutir Shakespeare é sempre muito bom, e a mesa com Stephen Greenblatt e James Shapiro atendeu a todas as expectativas criadas em torno dos estudiosos de Shakespeare.

Greenblatt leciona literatura em Berkeley e Harvard, e, além de livros acadêmicos, lançou Como Shakespeare se tornou Shakespeare em 2005, biografia do gênio inglês e que figurou semanas na lista de mais vendidos da New York Times.

Shapiro também leciona literatura, mas na Universidade de Columbia, e é um dos maiores estudiosos de literatura inglesa do período elisabetano e, por sua vez, de Shakespeare. Está lançando no Brasil o livro Quem escreveu Shakespeare?, e é autor também de 1599 – Um ano na vida de William Shakespeare (2005).

Greenblatt e Shapiro

E foi exatamente sobre os mitos que rondam o gênio bardo que a conversa fluiu. Shapiro surpreendeu o público mais leigo admitindo que várias das obras de Shakespeare são colaborativas, ou seja, tiveram a participação de outros autores e, mais, sobre o “plágio” sobre o qual o autor é constantemente acusado, Greenblatt lembrou que esse conceito não existia na época, e que era comum autores se basearem mais na obra de outros, assim como acontece até hoje no cinema, por exemplo. O diferencial de Shakespeare, porém, foi a reinvenção feita pelo autor. Para Greenblatt, seria como pegar um pano velho e transformá-lo numa roupa nova.

Porém, seria relevante debater sobre autoria, diante de uma obra tão espetacular? Essa foi uma das perguntas do mediador, e os autores concordaram que é importante conhecer sobre a vida de Shakespeare, mas obviamente sua obra não deixará de ser espetacular se isso não for sabido pelo leitor.

Profunda e prazerosa, a mesa 6 da Flip 2012 foi uma das melhores discussões deste ano, sem dúvida. Os autores tinham muita certeza do que estavam afirmando e conseguiram explicar fatos sobre Shakespeare que fizeram com que o público se sentisse satisfeito por ter assistido a essa palestra sobre o autor inglês.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*