Edgar Allan Poe e Rubem Fonseca

Considerado um dos maiores nomes da ficção policial de todos os tempos, Edgar Allan Poe, que completaria hoje 202 anos se os deuses da literatura permitissem, certamente foi um mestre para muitos de nossos mestres. A caracterização misteriosa do personagem é explorada por Rubem Fonseca, por exemplo, no conto Romance Negro ou Passeio Noturno – parte I.

Edgar Allan PoeDa célebre frase de Poe, “I wish I could write as mysterious as a cat.” ou Eu gostaria de escrever tão misteriosamente quanto um gato, podemos inferir o personagem principal do conto de Rubem Fonseca, obscuro e dúbio, considerado uma homenagem explícita a Edgard Allan Poe.

Certamente, toda a obra de Fonseca tem um tom de Edgar Allan Poe, dando espaço aos contos rápidos e profundamente extasiados de ficção policial, de uma trama sombria e extremamente envolvente. Fonseca, por sua vez, introduziu essa literatura no Brasil, que antes era restrita e vista com maus olhos pela crítica.

Devemos, hoje, então, parabenizar a Edgar Allan Poe pelo aniversário (parabéns mórbido, como deveria de ser) e pela genialidade; e a Rubem Fonseca, pela desenvoltura com o tema e as grandes obras apresentadas até hoje.

Comentário
  1. Juliana Patta

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*